Demência da doença de Parkinson


A demência é um termo geral para um grupo de doenças que afetam o cérebro, causando problemas de memória e de pensamento.

Quando a demência se manifesta pela primeira vez, pelo menos um ano depois que os sintomas motores de Parkinson começam, é conhecida como demência da doença de Parkinson.


O que é demência?

A demência é causada por uma perda significativa de função na área do córtex do cérebro, o que leva a uma deterioração das habilidades cognitivas. Isso pode afetar a concentração, a memória e o pensamento, que podem, por sua vez, afetar muitos aspectos da vida diária e qualidade de vida. Inicialmente, as dificuldades podem ser leves e, portanto, o termo “comprometimento cognitivo leve” é usado.

Existem diferentes formas de demência causadas por uma variedade de doenças, e cada pessoa será afetada de maneira individual. A Demência com Corpos de Lewy (DLB) é uma condição semelhante ao Parkinson, quando alguém tem sintomas de demência antes ou ao mesmo tempo que desenvolve problemas motores do Parkinson.

A forma mais comum de demência é a doença de Alzheimer, representando cerca de dois terços de todos os casos de demência.

Demência da doença de Parkinson

O comprometimento cognitivo leve é uma desordem que pode ocorrer a qualquer momento no decurso do Parkinson. As principais características que podem ser experimentadas são problemas com atenção sustentada, memória verbal e fluência. Ocorre mais frequentemente em pessoas mais velhas e quando os sintomas motores são mais avançados.

Os sintomas de demência variam muito de uma pessoa para outra e podem variar de gravidade ao longo do dia. Na demência da doença de Parkinson, o comprometimento da memória é menos grave do que na doença de Alzheimer, e a capacidade de realizar atividades diárias é geralmente mantida. Os sinais mais característicos são percepção deficiente, vocabulário reduzido e dificuldades com frases complexas, distúrbios comportamentais de personalidade e mudanças de humor, às vezes alucinações e delírios, ou apatia, ansiedade e sonolência diurna excessiva.

O que causa a demência de Parkinson?

Os mecanismos da demência ainda não são totalmente compreendidos, embora sabemos que o processo envolve a neurodegeneração (perda de neurônios) na área do córtex do cérebro. Não é possível prever quem será afetado.

Diagnóstico

O diagnóstico geralmente é baseado em sintomas clínicos, histórico médico e exames. A demência não pode ser diagnosticada por um exame de sangue, mas testes neuropsicológicos que envolvem habilidades de concentração, memória, linguagem e resolução de problemas podem ajudar a avaliar a extensão dos problemas cognitivos. As informações fornecidas por membros da família ou cuidadores também podem ser úteis para entender como as dificuldades afetam a vida diária.

As “escalas de classificação” são frequentemente usadas, com a avaliação de respostas a perguntas cuidadosamente escolhidas para quantificar problemas cognitivos. Elas também são úteis para monitorar qualquer melhoria ou piora durante e após o tratamento.

Para dificuldades mais sutis ou complexas, um neuropsicólogo – um psicólogo com experiência em como comportamento e habilidades cognitivas são afetadas por doenças cerebrais – também pode fazer uma avaliação mais detalhada. Isso pode ser particularmente útil para diferenciar a demência de Parkinson de outras condições, como Alzheimer, Acidente Vascular Cerebral ou Demência com Corpos de Lewy.

Um neurologista também descartará outras condições médicas que podem causar sintomas semelhantes a demência, como infecção, efeitos colaterais do tratamento ou depressão.

Tratamento

O tratamento para a demência é complexo. O tratamento não-medicamentoso da demência da doença de Parkinson inclui treinamento cognitivo, exercício e intervenções físicas, adaptando o ambiente da pessoa para garantir que não agrave problemas e informações apropriadas para pacientes e seus cuidadores.

Dependendo da gravidade da demência e da saúde geral, medicamentos para demência podem ser prescritos. Estes não podem curar a demência, mas ajudam a preservar as funções cognitivas o maior tempo possível. Muitas vezes serão necessários vários medicamentos para tratar dificuldades motoras, problemas cognitivos, sintomas psiquiátricos e disfunção autonômica, sempre considerando a relação risco-benefício antes de iniciar novos medicamentos.

O que fazer agora?

Se você quiser ajuda para encontrar um neurologista especializado na sua região, preencha o nosso formulário para entrarmos em contato com você: http://parkinsoneeu.com/recupere-sua-vida/. E continue aprendendo mais sobre o Parkinson aqui no nosso blog, na nossa página do Facebook e no nosso canal no YouTube.

Fonte: http://www.epda.eu.com/about-parkinson-s/symptoms/non-motor-symptoms/dementia/

5 views

Recent Posts

See All